História

SITICOP-MG, CONHEÇA UM POUCO DA HISTÓRIA

Fundado em 1991, o SITICOP – MG foi criado para representar os trabalhadores da construção pesada com o objetivo de se organizarem e de melhorar as condições do ambiente de trabalho. A partir daí os trabalhadores deram início à grande luta sindical, política e social. Iniciaram negociações coletivas com empresas e com o Sindicato Patronal de segmento econômico da construção pesada.

Após sete anos de lutas e conquistas, a justiça declarou o SITICOP – MG o único e legítimo representante dos trabalhadores nas indústrias da construção pesada em Minas Gerais, assinando, em novembro de 1998, a primeira Convenção Coletiva de Trabalho entre SITICOP- MG e SICEPOT – MG ratificando todas as CCT´s anteriores.

Desde a sua fundação, o SITICOP – MG se empenha na busca de alternativas que visam o cumprimento da CLT – Consolidação das Leis do Trabalho, NR´s – Normas Regulamentadoras, Saúde, Segurança e Medicina de Trabalho e da CCT – Convenção Coletiva de Trabalho, participando junto com órgãos públicos e entidades da classe à adequação de normas que atendam de fato a construção pesada, protegendo os trabalhadores, transeuntes e condutores de veículos às margens das obras nos perímetros urbanos, bem como nas rodovias Estadual e Federal em toda Minas Gerais.

Possui uma equipe de fiscalização formada por técnicos em segurança do trabalho e fiscais de obras que têm o cuidado de averiguar as condições do ambiente de trabalho na indústria da construção pesada tais como: instalações sanitárias, alojamentos, locais destinados às refeições, transporte e sinalização de segurança em todos os canteiros de obras, para que seja garantida a integridade física e psicológica dos trabalhadores em conformidade com as normas de segurança do trabalho e convenção coletiva vigente.

O SITICOP – MG possui, além de sua Sede, mais seis Subsedes e três pontos  de apoio em todo estado de Minas Gerais, com equipe de homologadores preparados para dar assistência aos trabalhadores,  esclarecendo suas dúvidas e fiscalizando o cumprimento por parte das empresas, do pagamento de todos os direitos trabalhistas legais e convencionais no ato da rescisão do TRCT. No ano de 2012 foram realizadas, em média, 10.000 homologações.

Há dois anos o SITICOP – MG promove eventos em parceria com algumas empresas que aderiram à idéia, causando um impacto positivo com os trabalhadores da construção pesada. Preocupados com o lado social, proporcionamos entretenimento nas mais diversas formas, como o “1º de maio”, dia do trabalhador, comemorado no Mineirinho. Outros eventos importantes foram o do Expominas, com a participação de 40.000 pessoas e o “Cultura na Obra” com a participação de 12.000 pessoas, todos com shows e premiações. Projetos como o “SITICopa” que premiou  o 1º, 2º e 3º lugares e o “Começar de Novo” que contou com a participação de ex detentos em recuperação foram torneios de futebol que levaram diversão e lazer a todos os trabalhadores.

O SITICOP – MG toma iniciativas importantes para o seu segmento e se posiciona como a força de trabalho da Construção Pesada em Minas Gerais. Completou em Janeiro de 2016, 25 anos de lutas, trabalhos e conquistas na organização dos trabalhadores.

Ao longo destes anos, avençamos muito e temos muito ainda para conquistar com a participação de toda a categoria profissional da construção pesada.

 

História

Desde o início da existência humana, conhecimentos e habilidades de engenharia têm sido necessários para evolução do padrão de vida. A partir do momento em que tribos deixaram de ser nômades, surgiram assentamentos que necessitavam de estrutura necessária para abrigo e proteção que, ao longo do tempo, cresceram em complexidade. Ao decorrer dos séculos, a grande demanda por estruturas cada vez maiores e mais eficientes impulsionava o surgimento de novas técnicas e a formação de profissionais habilitados para assumir tal responsabilidade.

Entretanto, a profissão de engenheiro civil só foi reconhecida oficialmente a partir da Revolução Industrial.

Pirâmides de Gizé, uma das sete maravilhas do mundo.

Como Tudo Começou

São diversas as obras remanescentes que atestam a presença da construção pesada desde os primórdios da civilização e o desenvolvimento da engenharia presente ao longo de milênios. Os registros escritos destas construções, contudo, se perderam no tempo.    Grandes obras de engenharia surgiram há mais de cinco mil anos na Mesopotâmia, embora haja hoje, poucas construções remanescentes. Os sumérios que habitavam a região construíram muros, templos e criaram canais para irrigação. Ainda na mesma região surgiu a pavimentação, feita com pedras achatadas colocadas nos trajetos mais movimentados das cidades. Ainda na Mesopotâmia há registro da primeira ponte feita de pedra, que se estendia por todo rio Eufrates! Até então, as pontes eram feitas somente com madeira.

Os pérsios, ao longo do tempo e de seus vastos domínios foram responsáveis por criar novas e eficientes técnicas de irrigação, além de inovarem nas técnicas construtivas de pontes, especialmente para fins militares. No Antigo Egito, dentre as mais notáveis obras de engenharia destacam-se as Pirâmides de Gizé, feitas há mais de quatro mil anos, e a cidade de Alexandria (durante a era de Alexandre, o Grande), na qual foi concebido um grande farol, não mais existente. Contudo, Na Grécia Antiga, houve, pela primeira vez, a conexão entre a engenharia e a ciência, sendo um dos primeiros trabalhos considerando aplicações práticas de princípios físicos e matemáticos atribuído à Arquimedes,que criou um sistema capaz de transportar água para diferentes elevações.

Ponte do Gard, na França, um aqueduto construído durante o Império Romano.

È uma porção de um aqueduto romano situado no sul da França, perto de Remoulins, Uzès e Nîmes. Trata-se de uma ponte construída em três níveis que assegura a continuidade do aqueduto que trazia água de Uzès até Nîmes na travessia do rio Gardon (também chamado rio Gard). Foi provavelmente construída no século I a.C..

Durante a expansão do Império Romano, houve o surgimento de novas técnicas construtivas, especialmente a partir da grande oferta de matérias-primas e trabalho escravo. Embora não tenha grande ligação com a ciência, a engenharia praticada pelos romanos estava fortemente ligada ao pragmatismo. As grandes estruturas eram voltadas, sobretudo para bens públicos, como aquedutos, portos, mercados, pontes, barragens e estradas. Vitrúvio foi o autor de um dos manuscritos mais antigos sobre engenharia, no qual descreve as técnicas e habilidades que um profissional deve dominar como conhecimentos científicos, filosóficos e éticos, dentre outros. Os romanos também foram os primeiros a utilizar concreto em suas obras, quando se descobriu que uma mistura formada principalmente por cinzas vulcânicas solidificava-se e dava origem a um material tão duro quanto às rochas.

Macchu Picchu, uma das cidades que se desenvolveram durante o Império Inca.

Na Índia a maior parte das construções era feitas com madeira. Contudo, a partir do surgimento do budismo, novos e grandes templos e monastérios foram construídos no topo e nas bordas das montanhas, o que exigiu novas técnicas que faziam o uso de pedras e rochas. De forma similar, o hinduísmo motivou o surgimento de grandes templos construídos com pedras. Na China Destaca-se, o surgimento de pontes suspensas antes feitas com fibras de bambu e posteriormente com correntes de ferro, além dos Obeliscos, templos em forma de torres. Contudo, a mais notável obra ainda remanescente é a Muralha da China, que se estende por milhares de quilômetros e cuja construção iniciou-se em 220 a.C.

No continente africano ao sul do deserto do Saara, as obras com estilos mais simples utilizavam-se dos materiais existentes e dependiam da cultura das milhares de etnias diferentes do continente. Destaca-se, contudo, um local de cunho religioso, o Grande Zimbabwe, cuja origem remonta ao século XI. Na América, por fim, as grandes civilizações inovaram em técnicas que os permitiram criar grandes templos, especialmente de cunho religioso. Durante a civilização Maia, muitas grandes obras foram realizadas, das quais se destaca a cidade de Teotihuacan. Os Incas, séculos depois, estenderam seus domínios na cordilheira dos Andes e criaram elementos de infra-estrutura como pontes, estradas, Cusco.

Mesquita de Quba, a mais antiga do mundo, fundada no ano de 622

Período medieval

O Império Romano, devido à sua grande extensão e falta de governo central, não conseguiu se manter unido e chegou ao fim no ano de 476. Muitas das obras de infra-estrutura, inclusive estradas, aquedutos e portos então existentes, foram demolidos para construção de fortificações. Durante todo o período medieval, quase não houve avanços científicos, o que afetou também o desenvolvimento de técnicas de engenharia, que passaram a se restringir a conceitos práticos pouco estruturados. Os árabes, sobretudo durante o período da expansão islâmica, incorporaram técnicas romanas, sobretudo utilizadas em fortificações, embora já possuíssem conhecimentos na construção de grandes mesquitas.

Não havia método científico nas construções, pelo que eram baseadas no sistema de tentativa e erro, sendo numerosos os exemplos de colapso de estruturas. Neste período nota-se, ainda, a criação de grandes fortificações em castelos, para prevenir invasões. Houve um avanço na utilização de rodas de água para transportar água e mover moinhos. Ocorreram também avanços na construção de canais navegáveis.

Catedral de Santa Maria Del Fiore, na Itália.

Era moderna

A partir da Renascença, a engenharia se renovou, ao contrário do período medieval em que projetos eram criados por artesãos. Um dos pioneiros do período foi Filippo Brunelleschi, que projetou o domo da catedral de Santa Maria Del Fiori em Florença. Ainda com o surgimento da impressão de livros, começaram a surgir os primeiros manuais com técnicas de projeto e construção.

Posteriormente, a Revolução Industrial começava a mudar radicalmente o perfil da Inglaterra, o que posteriormente viria a acontecer no restante da Europa. A população começou a migrar da zona rural para as cidades para trabalharem nas indústrias. A obra estrutural necessárias para o desenvolvimento industrial era geralmente conduzida por engenheiros militares. No entanto, em 1768, um homem inglês John Smeaton se autodenominou ‘engenheiro civil’ para diferenciar-se dos profissionais militares, criando assim uma nova e distinta profissão.

Iron Bridge

A Revolução Industrial trouxe consigo novas técnicas e Obras com bastante riquezas de detalhes.

A Ponte de Ferro, no Reino Unido, foi à primeira ponte de arco construída somente com ferro fundido, o que é considerado um marco na história. Conforme ocorria o crescimento econômico, era cada vez maior a necessidade de se acelerar os transportes. Por isso, houve grande ampliação do sistema de canais e posteriormente surgiu à primeira ferrovia. A utilização do ferro como elemento estrutural causou grandes mudanças, especialmente por conta de sua resistência, capacidade de pré-fabricação e facilidade de montagem. Houve ainda inovação no que se refere à construção de túneis, a partir do primeiro construído sob o rio Tâmisa em Londres para a criação do sistema metroviário londrino.

A partir do século XX, As obras da construção pesada passou a se desenvolver e se especializar, sobretudo por conta dos avanços científicos e fundamentações teóricas do comportamento dos materiais. A partir de então surgiram grandes estruturas antes inimagináveis, como o Viaduto de Millau na França, a mais alta ponte para veículos do mundo, e o Burj Khalifa, o mais alto edifício do mundo, com mais de oitocentos metros de altura. Das Sete  maravilhas do mundo moderno 3 ( três são obras da construção pesada) como: Eurotúnel, sob o estreito de Dover entre o Reino Unido e a França, o canal do Panamá, que liga o oceano Pacífico ao Atlântico e a Usina Hidrelétrica de Itaipu entre o Brasil e o Paraguai.

Formação

Vista da Universidade de Coimbra em Portugal

A demanda de profissionais especializados logo demandou o surgimento de centros de ensino voltados para a engenharia. O primeiro deles foi a École Polytechnique em Paris, criada no ano de 1794. Várias décadas depois academias surgiram pela Europa e Estados Unidos, onde, em 1835, formaram-se os primeiros engenheiros civis pelo Instituto Politécnico Rensselaer.

Conceito de Construção pesada

Construção pesada está voltada para obras de infra-estrutura em um amplo espectro de segmentos veja bem simplificada mente:

As atividades da construção pesada são caracterizadas por uma substantiva intensidade em capital e tecnologia e pela necessidade de se operar em grande escala, há aplicação maciça de insumos, máquinas, enquanto na construção leve prevalece a aplicação de mão de obra.

Para cada um dos ramos da construção existe uma entidade representativa específica, em conformidade com o disposto nos artigos 570 e 577 da CLT.

Que engloba as obras da construção  pesada basicamente a titulo de explicaçao sao elas: portos, pontes, aeroportos, estradas, hidroelétricas, barragens, túneis, etc …, obras que na maioria das vezes só são contratadas por empresas e orgãos públicos.

A construção de estradas pontes, canais, obras de infra estrutura em geral,  encontram-se muito mais adstrita à vontade pública.

Em alguns casos, as edificações tem tal vulto e complexidade que são classificadas como obras pesadas, estando tipicamente enquadradas neste caso as edificações industriais.

Essa classificação em dois ramos, embora não exista nenhuma diferenciação na formação dos engenheiros nas universidades, é em geral aceita e bem compreendida por todos os engenheiros no Brasil.

Também pode ser denominada como parte da engenharia civil que trata do planejamento, execução e controle de operações construtivas relativas e projetos tais como de estradas de rodagem, barragens, edifícios, sistemas de distribuição d’água, ou seja  a construção de estradas pontes, canais, obras de infra estrutura em geral,  encontram-se muito mais adstritas à vontade pública.